Enfeite seu coração! Automaticamente estará enfeitando você! Heloísa Lugão

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O que fui em 2012 e o que serei em 2013


Final de ano e todo mundo já faz mil e um planos para o ano que está cada vez mais próximo. Poucos fazem um balanço do ano, muitos desejam um ano melhor e eu sou uma dessas pessoas. Acredito que para que o próximo ano seja melhor do que ano passado precisamos fazer um balanço, ver o que foi bom e o que não foi, ver o que acertamos e o que erramos, ver as experiências adquiridas ao longo do ano e por ai. Tenho pensado muito nesse balanço de 2012.
Meu 2012 não saiu do jeitinho que eu queria, esperava e meu horóscopo previa. Os campos amorosos e profissionais deixaram muito a desejar. Pensei em vários pontos críticos, em várias reclamações, mas não consegui encontrar, apenas estes dois campos.
Descobri que 2012 foi o meu ano, literalmente meu. Consegui resolver meus problemas, aqueles que tinham comigo mesma. Me surpreendi, me valorizei, me conheci, me amei. Descobri muitas coisas e a mais fascinante descoberta foi a minha. 2012 me mostrou quem sou, o que gosto, o que quero, a minha personalidade, o meu caráter, a minha beleza.
Como eu superei, superei dores, perdas, desafios, limites, desapego. Superei com a minha dieta e atividade física. Sempre achei que nunca iria conseguir fazer dieta e muito menos atividade física, logo eu a rainha do sedentarismo. Emagreci 20kilos neste ano, aprendi e gostei de correr. Corro às vezes 2 vezes ao dia. Deixei de ir para a balada no final de semana para dormir cedo e acordar cedo para poder correr.
Superei dores e perdas que já mais pensei que iria superar. Vi a beleza de cada uma delas, mesmo com a dor. Doeu muito, passou, me fortaleci. Descobri com a dor o quanto sou forte e elas me deram aprendizado, experiência e fortalecimento.
Baladas...como já fizeram parte da minha vida e hoje já não fazem mais tanto sentido. Gosto sim de sair para dançar, porém vez ou outra. Prefiro um final de semana lendo, vendo filme (quanto mais velho melhor), ouvindo música, correr, curtir o sol, ou seja, ficar mais na paz, entretanto não dispenso uma sexta à noite em um barzinho com os amigos. Adorava boates e micaretas hoje opto pelo barzinho onde posso sentar, conversar, comer, beber algo e desfrutar da amável companhia dos meus amigos.
Aprendi a me amar, a gostar de mim, me achar linda descabelada e sem maquiagem, linda ao acordar, linda com a pior roupa, vi belezas em mim que nunca tinha visto e talvez ninguém ainda olhou. Aprendi a gostar da minha própria companhia, coisa que sempre que posso faço questão. Gosto de estar só, fazendo algo ou apenas pensando e me descobrindo. Fiquei de bem com o espelho, acontecimento inédito em 24 anos de vida. Descobri que sou inteligente, me descobri culta e não uma pessoa mesquinha, vazia e fútil.
Descobri a paixão pela escrita, pela leitura, por filmes antigos, seriados policiais, natureza, vida saudável, esportes, cultura, musicas com jazz e bossa, o que é amor-próprio, autoestima, valorizar si próprio.
A preferência mudou. Troquei baladas por noites com livros e filmes, o rostinho bonito e a cabeça vazia não fazem mais meu estilo, gosto agora de homem com cara de homem, barba de homem (como tenho apreciado uma barba mal feita) e atitude de homem. A vontade de praticar esportes e estar em contato com a natureza apareceu (isso nunca existiu aqui). A companhia de pessoas vazias foi trocada pela minha solidão (bem melhor e mais proveitoso). A comida gordurosa se recolheu e deu lugar a salada, frutas e integrais, o paladar mudou. Um programa de cinema, teatro agora cai muito bem.
Diminui o funk, eletrônico, axé, pagode e sertanejo e viciei em Los Hermanos, Papas da Língua, Mallu Magalhães, Marcelo Camelo, Luiza Possi, Maria Gadu, etc.
Na parte de relacionamento me surpreendi pela minha decisão (não sei não existe mais) e meu desanimo, o rápido desencantamento e aprendi ser um pouco fria (era impossível e hoje nem é mais tão impossível assim). Não quero e nem espero o cara perfeito, ainda não encontrei alguém que valesse a pena. Sem paciência pra gente que não sabe o que quer, amores platônicos, atitudes que não aprovo. Conheci um cara bacana sim, acho que em 2012 ele foi o único que me fez parar e suspirar por ele por um bom tempo e pra variar estávamos em tempos distintos, lance rápido que curti muito e marcou bastante. Um dos caras mais incríveis que conheci.
Conheci muita gente bacana, fiz muitas amizades, fortaleci as velhas amizades. Realizei sonhos, pensava que meu limite era até 100 e quando dei por mim ele era mais 1.000. Entrei em projeto voluntário. Conheci blogueira. Me livrei de tudo aquilo que me fazia mal (pessoas e coisas). Virei uma apaixonada por maquiagem e mais viciada em cosméticos. Optei pelo conforto e pela simplicidade das coisas. Conheci coisas e lugares finos.
Literalmente 2012 o meu ano, ano que me conheci e apaixonei por mim mesma. Pedi tanto um amor novo, verdadeiro e duradouro e ganhei: o meu!
Bem, o que será de 2013 eu não sei, mas o que foi 2012 sei perfeitamente. Inicio 2013 com a força e o aprendizado de 2012.
E você já fez seu balanço de 2012?!
E lista de metas para 2013?!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Será que seu problema realmente é maior do que o do outro?


Quando temos um problema só vemos o mesmo e que nunca será solucionado, que o problema do outro não é maior do que o nosso. Tem gente que reclama de tudo, não vê lado bom nas coisas, acha a pessoa mais infeliz do mundo, dono do maior problema do mundo. Gente assim pesa, cansa.

Sou daquelas que apóia o ditado “saúde e paz o resto agente corre atrás”. Saúde é um problema que às vezes não tem solução, a medicina ainda não encontrou a cura para várias doenças. Isso sim é um problema.

A paz também não depende somente de nós, depende dos outros e isso sim é um problema. Quando as coisas dependem dos outros ai sim o bicho pega mais.

Conheço um rapaz lindo que tem 20 anos e uma doença sem cura, câncer. A doença já foi para várias partes do corpo dele. Vejo a luta e a esperança da família e a dele. Quando vi uma foto dele (cabelo raspados e um pouco fraco) com o pai não me contive e lágrimas rolaram. Tão bonito, tão novo, cheio de sonhos. Isso sim é problema, um problema que não depende só dele.

Quantas crianças são abandonadas por suas famílias, sofrem todos os tipos de violência possível? São rejeitados por todos, nem o próprio pai e mãe tem amor por eles. Isso sim é um problema, aprender a ser sozinho desde novo.

Nos abrigos que visito consigo ver um olhar de esperança dentro de cada olhar, vejo um sorriso lindo e sincero de uma criança. Tem criança que não teve oportunidade de ser criança, pois desde cedo teve que aprender a cuidar dos irmãos mais novos devido à ausência dos pais. Isso sim é um problema.

Seu amor te deixou, teve que se mudar, perdeu o emprego, não tem grana para comprar o que quer, brigou com alguém, se sente sozinho isso são problemas que só você irá resolver, são problemas que depende do outro sim, mas que são mais simples de se resolverem.

Não tem que ficar chorando, se lamentando pelas coisas mas tem que pensar em um jeito de ir buscar a felicidade, resolver o problema. Felicidade chega pra quem vai busca-lá todos os dias. Chega pra quem se esforça. Pra quem reconhece que ela está nas pequenas coisas.

É acordar e procurar resolver o problema e resolve logo porque gente triste, chata e que só reclama cansa, pesa.

“Não consigo entender como as pessoas conseguem acordar de mau humor. Um dia novinho nós é dado para fazermos diferente, para tentarmos novamente, para começarmos de novo. Independente se o dia amanheceu nublado, chuvoso ou com o sol lindo temos que agradecer que mais um dia nos foi dado para começarmos tudo de novo.”

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Saudade+vontade

Das saudades e das vontades que tenho o motivo e razão para estes se resumem em apenas isto: estar apaixonada!
Sempre fui colecionadora de amores, namorados, rolinhos. Já perdi a conta de quantos amores platônicos já tive. Também não sei quantas vezes gostei de vários ao mesmo tempo ou até mesmo quantas vezes já gostei do João ontem, do Pedro hoje e do José amanhã.
Tá vazio aqui, um vazio que só outra pessoa pode preencher. O lugar está reservado para uma pessoa especial já que não é mais qualquer um que ocupa este espaço.
Saudade e vontade de dedicar músicas, pensar e rir sozinha por alguém, tremer só de ver a pessoa, sentir frio na barriga, perder tempo nos preparativos de beleza, sonhar acordada, ser correspondida.
Tem vezes que sinto saudades dos tempos que tinha um amor em cada esquina, sejam eles platônicos ou não.  Mas agora não tenho mais a paciência de antes, não é mais qualquer um que me deixa com friozinho na barriga. Não é mais qualquer coisa que me interessa. Não tem mais essa de esperar o cara decidir se me quer ou não. Se me quer vem se não me quer eu vou e não volto.
Está sendo estranho novo e diferente este momento que na verdade é até um momento de calmaria, nunca senti isso antes! Tem horas que parece que falta algo até mesmo que não sou eu é como se eu tivesse me tornado um coração de pedra. Mas justo eu que sempre fui colecionadora de amores?!
Bem, apenas perguntas e nenhuma resposta e uma única certeza: o cara que preencher o espaço vazio será mega, super, ultra especial porque não está fácil entrar aqui não.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Realização de um sonho (parte 1): conheci uma blogueira!

Acho que uma das melhores idéias em toda minha vida foi criação do blog. Até agora não conseguir ver nenhum erro e nem me decepcionei com a criação do mesmo. Ganhei autoestima, amor-próprio, me valorizo, ajudo quem eu nem conheço, fiz e faço muitas amizades bacanas. O chatinho disso tudo é que a grande maioria dessas pessoas mora longe e isso dificulta conhecer pessoalmente. Mas sábado foi diferente.
A I. eu a conheci desde o primeiro blog, na situação extremamente critica da minha vida. Ela também não estava em uma de suas melhores fases não. A surpresa maior: morava no Espírito Santo, mais precisamente em Vila Velha, cidade da região metropolitana de Vitória. Ou seja, ela estava mais perto do que eu imaginava.
O tempo foi passando, abandonei o blog antigo, acabei perdendo a senha e com isso para não ficar sem blog fiz outro. Voltei ao blog antigo para pegar os blogs que mais gostava e o dela estava entre eles. Voltamos a nos falar, porém voltamos mais forte, mais amigas e não paramos mais. A amizade foi crescendo, conversas diárias, estamos na fase de “velha e louca”, somos muito parecidas, conversas na net, no telefone. Não dava mais para ficar nesse joguinho e tínhamos que sair, nos encontrar, nos conhecer pessoalmente. Ela é super divertida, animada e sou também então umas baladinhas iriam cair muito bem.
E sábado finalmente conheci a I. um doce de pessoa, uma linda, uma amiga. Como ela é linda em todos os sentidos, a mesma faz parte de um projeto voluntário e me chamou para conhecer e como adoro isso topei na hora. Conheci a amiga blogueira, conheci os amigos da amiga (adoreiiii todos!), conheci o projeto e até decidi participar. Pronto, mais um sonho realizado: conheci uma blogueira.
Mas ela não é uma pessoa que tem um blog e nada mais, ela é uma pessoa que se tornou uma amiga, grande amiga, uma querida, daquelas que são para a vida toda, que posso ligar pra chorar, desabafar e vai me fazer rir como tem feito sempre.
A I. foi a primeira de várias blogueiras que quero conhecer pessoalmente por ter um carinho e uma amizade enorme. Então, que venha 2013 para que eu possa conhecer mais e mais blogueiras, mais e mais amigas!
Ah, sabe aquele gostinho de sonho realizado?! Então, estou sentindo ele!!!!

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Tudo que você precisa saber sobre:

— Ex é ver realizado aquilo que você desconfiava. Ele sairá justamente com AQUELA que gerou a briga por ciúme.
 
— Ex é desagradável como uma parcela a pagar do celular que foi roubado de você.
 
— Ex é como chocolate derretido. Não tem como colocar de novo na embalagem.
 
— Ex é atravessar o Natal enquanto o mundo já comemora a Páscoa.
 
— Ex é sentir pontada ao entrar no Facebook, no Twitter e no próprio email.
 
— Ex é um vírus que compromete seu computador. Perderá os álbuns na web, já que inventou de tirar a maior parte das fotos com os rostos colados. 

— Ex é quando o "tudo bem?" deixa de ser um cumprimento para realmente soar como uma pergunta.
 
— Ex é informar para metade da cidade onde está ele. Por uns dois meses, você ainda será confundida como porta-voz do casal. 
 
— Ex é uma memória atrasada. Descobrirá as sacanagens dele com a separação, pois os conhecidos e familiares não tinham coragem de contar.
 
— Ex é fantasma. Você  escuta sua respiração e não pode mais responder com beijo.
 
— Ex se torna o mais simpáticos dos seres com o fim do namoro. Não esqueça: ele está fingindo. Mas tanto faz, vai doer igual.
 
— Ex é repetir detalhes e palavras da despedida, mudando a ordem das frases e testando se havia alguma esperança do final ser diferente.
 
— Ex é desistir do futuro, viver no passado e desconhecer o presente.
 
— Ex é pensar pela primeira vez numa viagem longa para uma região remota em um trabalho voluntário.
 
— Ex é melhorar as amizades e piorar a relação com os pais e irmãos.
 
— Ex é ter saudade de si. E raiva de qualquer outro aborrecimento menor.
 
— Ex é sempre encontrar algo dele perdido em suas coisas, é sempre procurar algo seu que deve estar nas coisas dele.
 
— Ex é uma faxina obrigatória.
 
— Ex é emagrecer em uma semana os quatro quilos que tentou durante o relacionamento inteiro. 
 
— Ex é reaver todas as dúvidas antigas que estavam escondidas debaixo da certeza da relação.
 
— Ex é voltar a se perguntar: Será que sou bonita? Será que sou inteligente? Será que beijo bem?
 
— Ex é nascer sozinha depois de morrer a dois.
Fabricio Carpinejar
 
....Aquele texto que sempre quis escrever....

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Eu quero a sorte de um amor tranqüilo

E quem não quer? Um amor que te faz bem, que te traz o bem, um amor que te traz calmaria. Amor é isso: sentimentos bons unidos pelo bem.
Amor é liberdade, é confiança, é respeito. É deixar o outro um pouco sozinho. Deixar o outro se divertir com os amigos. Deixar que o outro vá no aniversário de um amigo sozinho. Amor é quando você vai sozinho e sabe que ao voltar tem um ombro para encostar, um porto seguro.
Amar é felicidade. Amar é contar piada sem graça, é zombar da cara do outro, é fazer brincadeiras, é chorar de tanto rir, rir a ponto de dar dor na barriga.
Amar é amizade, companheirismo. Amar é poder ter alguém para confiar, alguém para dividir as angústias, dores, conquistas, felicidade, sonhos.
Amar é a união dos sonhos a dois. É fazer planos para um futuro bem distante, é escolher o nome dos filhos, os padrinhos de casamento, as músicas da cerimônia, a decoração da casa, dividir as tarefas, mesmo que isso só poderá acontecer daqui 10anos. É sonhar com o futuro próximo, de conquistas a dois.
Amar é mostrar para o outro o seu mundo que é diferente do dela e ter a capacidade de fazer com que ela goste. É ensinar o outro a gostar de ler, ver filme antigo, jogar vídeo game, jogar cartas, praticar esportes, comer salada, gostar de orquestra.
Amar é ter vida própria. É aprender a gostar das coisas que o outro gosta e continuar gostando das suas coisas. É continuar com seus hobbys, continuar com seus amigos. É não deixar de jogar a pelada, não deixar de ir ao shopping com as amigas, não deixar o happy hour de lado. É entender que antes de estarem juntos tinham e tem uma vida que precisa ser cuidada.
Amar é vida romântica. É escrever bilhetinhos, é fazer surpresas, é dar um presente que o outro não gostou, é jantar no sábado a noite, é cinema no domingo de tarde, é ir para a cozinha e preparar algo mesmo que não tenha muitos dotes culinários. É agradar, é elogiar, é incentivar.
Amar é ceder. Abrir mão de coisas que gosta para agradar o outro. É participar das festas de família, é agüentar a prima periguete, é agüentar a tia que só sabe falar do ex dela, é ir ao aniversário do chefe dele quando está com aquela cólica, deixar de ver o final do campeonato para ir com ela na casa da mãe dela. É deixar ela falar dos problemas, deixar ele reclamar, deixar os dois se acalmarem para conversar.
Amar é conversar, explicar, não deixar dúvidas, é questionar. Amar não é gritar, não é xingar, não é agredir. Amar é saber usar as palavras boas.
Amar é felicidade, simples assim. Amar não tem mistérios, amar não tem segredos. Amar tem paciência, força de vontade. Amar é ajudar o outro, nem que precise pegar na mão como uma criança. Amar é sempre sorrir e nunca chorar. E se chorar que seja de alegria.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

E ai já era é hora de recomeçar!

 
Não importa o quanto durou, o tamanho do amor que havia, o motivo do fim, mas acabou. Se acabou é porque algum motivo existia. Acabou porque um dos dois viu um motivo para chegar ao fim.
Sempre que meus relacionamentos (independente do tempo que durou) chegam ao fim o pior dia para mim é o dia seguinte. Acordo e sinto um vazio enorme, parece que metade de mim se foi. Sinto falta de ar. Daria tudo para não estar sentindo aquilo. Dou tudo para não sentir isso mais, mas pelo visto vou sentir muito isso ainda...é uma coisa que não muda em mim, é o meu jeito.
O luto é inevitável e merece muito ser curtido. Dou atenção a esse momento. Quero colo, abraço, carinho, atenção de todo mundo e dele que se foi também. Mas ele não vem me dá colo, ele talvez esteja como eu ou pior ou não esteja sentindo nada. Ele não pode vir, ele não quer vir, ele não tem motivo pra vir. Não importa eu sinto, sinto, sofro, choro, acho que vou morrer porque dói demais. Mas aprendi que de amor não morro e que preciso de forças para recomeçar. Começar do zero.
Descobri também nisso tudo que todos nós temos uma mola no fundo poço, só precisamos ativar. Já estamos no fundo poço, é escuro, é horrível, dói, dá preguiça de recomeçar, é muito ruim estar ali e todos nós sabemos o quanto é bom ser feliz, estar de bem com a vida, viver bem, ter paz, mas isso são coisas que não vemos. Isso tudo sumiu no meio da escuridão do fundo do poço. Não se vê nenhuma luz no fim do túnel. Não existe a chance, a possibilidade, a esperança e muito menos acreditar que vamos sair dali e que um dia teremos a paz novamente, a felicidade desejada, viver a vida leve e alegre. Porém, no fundo no fundo todos sabem que a vida é feita de fases e que essa fase ruim vai passar e que só depende de nós.
Viver o luto é bom. Dê atenção. Curta o momento. Come bastante chocolate, sorvete, escute as músicas que mais dói em você, fique um dia ao menos trancada no quarto escuro chorando, chore muito, fique na lama mesmo e sem culpa. Uma hora você vai cansar disso e vai querer dá a volta por cima. Uma hora vai se olhar no espelho e ver o caco de pessoa que você tornou. Vai ver que aquele relacionamento não era tão bom assim. Era muito ciúme, pose, brigas, não tinham respeito, vocês se agrediam verbalmente e até fisicamente, mentiras sobre mentiras, não existia muita compatibilidade, as agendas não se encontravam, enfim você vai ver que por mais que você goste do cara ele não era bom para ser seu namorado.
E ai que você vai querer recomeçar. Já aviso logo que não é uma etapa fácil. É complicada, tem pessoas que tudo na vida muda. Tem pessoas que se sentem altamente perdidas, mas no fim todas elas se encontram. Porém, só encontram quando procuram, quando correm atrás do que querem.
Doce ilusão para aqueles que correm da dor, que procuram nas baladas, em outras bocas, nas compras, na compulsão a saída do túnel. Um amor não se cura com outro amor. Um amor se cura recuperando o amor-próprio, recuperando a autoestima, fazendo o que gosta, descobrindo quem é você, conhecendo coisas novas. O amor se cura quando você se afasta do ex, corta todas as ligações com ele, afinal o que os olhos não vêem o coração não sente. É sumir dos olhos dele, não saber nada dele, não o deixar saber nada de você. É pensar no quer, no que foi, no que é. É ficar sozinha por um tempo, aprender a gosta da própria Cia, curtir a família, os amigos, fazer aquilo que tanto gostava e não podia por conta do namoro. É pensar no relacionamento passado e colocar na balança o que foi bom e o que não foi e decidir o que não quer mais em um relacionamento. È pensar sim, pensar em tudo. É mudar, nem que seja o corte de cabelo. É hora de descobrir, redescobrir. E quer saber uma coisa muiiito boa que vai descobrir: a força que você tem dentro de você e nem sabe que existe.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

13 de novembro de 2011 , o dia que mudou minha vida.


Ainda lembro exatamente do primeiro dia que te vi, da primeira vez que eu olhei no fundo do teu olhos e dei aquele “oi” meio sem graça, lembro até hoje que eu menti que não sabia o caminho só pra você me explicar como chegávamos no shopping. E o filme que você escolheu, nossa pensei que ia ser a maior furada, nunca tinha visto um filme chinês, mas no fim foi um dos melhores filmes que eu vi, lembro da mudança de filme em cima da hora, pois o que você queria tinha saído de cartaz, lembro também que eu baixei esse filme para gente ver junto depois, mesmo antes de sair contigo a primeira vez.

Sempre pensei que ia te ver, te levar no cinema e depois te deixar em casa e a vida ia seguir e aquela coisa, mas não consegui me desligar de você aquele dia. Lembro que caminhamos a beira mar inteira, falando um do outro e sobre a vida, e o assunto não acabava. Lembro como nossas mãos se encaixavam e com o meu abraço te envolvia perfeitamente. Lembro que te deixei em casa as 20 hrs, mas só nos largamos de verdade quase perto da meia noite, não por vontade própria e sim porque estava na hora. E assim terminou o dia que mudou minha vida, o dia em que me apaixonei, desde desse dia eu virei só teu em todos os aspectos, e hoje estou aqui uma ano depois, sem você, sem saber se você tá pensando em mim, sem saber nada sobre tua vida, sem poder te mandar esse texto. Sem saber se você tem outra pessoa para passar esse 13 de novembro.


Texto escrito pelo Rafael, novo parceiro do blog!

domingo, 11 de novembro de 2012

Felizes os que possuem amigos verdadeiros


Olha, não tenho emprego mais, não tenho um amor, não tenho dinheiro, mas tenho os melhores amigos do mundo. Sou rica e contemplada. Se tem uma coisa que mais agradeço e sempre agradeço são os meus amigos. Não são poucos, são muitos, são espalhados (de várias cidades e até de estados), e são até virtuais (um grande presente que o blog me deu) e um valor tremendo pra mim.

Esse final de semana mais uma vez tive prova de que realmente tenho amigos verdadeiros. O primeiro deles foi que na sexta, definitivamente voltei a falar com o Toru (no momento ele é a minha grande inspiração para escrever sobre causos amorosos aqui no blog). Ficamos sem conversar por 2 meses. Os dois errados, mas voltamos e estava sentindo muita falta dele e ele de mim. Somos muito grudados! Sentamos sexta e resolvemos nossos problemas. Rolou uma DR e no final tudo ficou tão bem que na segunda ele vai me treinar na abdominal. Desde já agradeço a Rayane e Amanda que me enganaram na sexta passada e me levaram para a casa do Toru para que agente se entendesse. Vocês conseguiram ;)

Já no sábado ganhei um presente. O Diego me ligou sexta e contei pra ele que tinha saído do emprego, que decidi estudar, fazer a prova da OAB eis que ele vira e diz que irá me presentear com um Vade Mecum novo (dia desses atrás comentei com o pessoal que tinha que comprar um novo). Ele lembrou e pediu ao Léo (irmãozão nosso) para trazer um para mim que ele iria pagar (o Léo trabalha em livraria e mora no mesmo prédio que eu). Ontem o Vade chegou... meu presente incentivo.

Meus amigos, como cada pessoa, tem suas histórias e cada um deles tem uma história e uma experiência diferente. Diego é uma dessas pessoas que me motiva muito, a força de vontade dele é enorme, sei de seus esforços e sei já venceu muito nessa vida e vencerá muito mais. Ele é mais um motivo que me leva a estudar e fazer o possível para passar.
Domingo e recebo uma visita. Minha amiga Néia mora no interior (sou do interior) e veio para a capital, pois a filhinha dela fará uma consulta amanhã. Ela chegou e passamos um domingo maravilhoso, rimos o tempo todo. Almoçamos e ficamos lembrando nossas histórias com um toque de felicidade e saudade... Saudades!
A Néia é minha amiga há 20anos, fomos criadas juntas, crescemos juntas. Sempre que vou ao interior vou a casa dela, saio com ela o marido e a filha (adoro e nem ligo). Ela sempre com a paciência e os conselhos bons que me passa.
E para completar o momento “domingo recordação de infância”, a Luiza me manda um torpedo dizendo que tinha postado no meu face uma foto nossa e que não era para eu brigar com ela. Corri e fui ver. A Luiza me coloca medo!
Impossível brigar com a Lula (Luiza). Ela colocou uma foto nossa de uma quadrilha que participamos e escreveu um texto lembrando nossa infância. Vontade de chorar não faltou, saudade apertou meu coração que foi ficando cada vez mais pequenininho. A Lula é outra amiga de infância (era eu, a Néia e a Luiza), 20 anos de amizade e diferente da Néia, eu e Lula brigávamos mais que tudo e ainda hoje acontece isso, tanto que ela é muiiiito ciumenta e ficou com raiva porque eu deixava recados para minhas amigas no face e não deixava pra ela. Um dia ela virou e só não me chamou de Santa no face, me excluiu, mandou um monte de mensagem dizendo que eu não dava valor a ela e coisa e tal. E essa semana ela veio pedir desculpas e falei algumas verdades para ela também e deu tudo certo. Hoje em dia parece que nada aconteceu entre nós.
E disso tudo tiro uma conclusão: amigos verdadeiros são poucos! Mas sou privilegiada e tenho muitos!
Amizade é um bem precioso. É ali que você sabe que está bem, pois você mesmo tem a chance de escolher seus amigos, suas escolhas começam ali. Se escolher amigos ruins sinal que não está tão bem assim, infelizmente não sabe escolher. Não concordo com quem fica de galho em galho. Um dia é melhor amigo de um, no outro de outro e por ai vai. Isso pra mim não é amizade. Tenho vários melhores amigos que se tornaram melhores amigos pelas atitudes com ajuda do tempo. Conheço gente que não tem melhor amigo, que não tem amigo de infância e sinto pena de gente assim (acho que essa opinião vai causar certa polêmica). Mas tenho mais pena ainda de gente que não sabe ser amigo, são pessoas que são falsas com os outros e com si própria.
Amizade é algo que não prende, que não cobra, que não sufoca, algo que o tempo não acaba a distância não desgasta. Amizade é livre, você é livre para escolher seus amigos, é livre pra viver esse relacionamento. Amizade é quando você fica algum tempo sem encontrar ou falar com seu amigo e quando se reencontram parece que nada aconteceu. Não há cobranças e nem reclamações na ausência do amigo. Entende a fase que o amigo encontra, entende as mudanças da vida do amigo e não critica, ao contrário vê e opina se aquilo está de acordo ou não. Não tem competição entre amigos. Ninguém é melhor que ninguém nessa relação. Ajuda sempre, não tem hora, lugar, momento, fase, distância, brigas. Quem tem amigo tem tudo e eu tenho muiiiiito!!!

sábado, 10 de novembro de 2012

Reflexão de sábado: quando o cara vai te procurar...

O cara só vai te procurar, insistir, quando você não der a mínina para ele!
Quando você sumir do mapa, quando você não querer o sujeito, quando você esquecer que ele existe, quando você se valorizar, quando você se amar, quando você se bastar, quando você é feliz, quando você tem várias coisas para pensar e fazer, quando você simplesmente não o procurar ele vai atrás de você. Seja lá onde a bonita estará!!!
Heloísa Lugão

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Sai do balanço e calcei o salto


Já era para isto ter acontecido há muito tempo, mas infelizmente só acordei agora. No fundo tenho até vergonha de desabafar essas coisas aqui, mas resolvi me assumir, assumir meu blog, minhas crises, minhas carências e meus problemas.

Sempre fui fútil, ainda me sinto assim. Sempre pensei em um marido, namorado, noivo. Sempre pensei nas roupas mais bacanas. Sempre pensei nas baladas nossas dos finais de semana. Sempre pensei em viver com a ajuda do papai, seja lá qual for à ajuda. Sempre pensei em gastar, gastar, gastar. Sempre pensei como uma criança. Sempre pensei que agir por impulso é melhor, daí se tira uma desculpa. Sempre pensei que essa é a vida que quero!

Nunca pensei em ler bons livros. Nunca pensei em ouvir boas músicas. Nunca pensei em fazer programas culturais. Nunca pensei em cultivar a natureza. Nunca pensei em juntar dinheiro. Nunca pensei em estudar. Nunca pensei em fazer dinheiro com a minha inteligência. Nunca pensei em viajar. Nunca pensei em ter vida saudável. Nunca pensei em ter um relacionamento saudável. Nunca pensei em ficar sozinha. Nunca pensei em me esforçar, ter disciplina, paciência e determinação. Nunca pensei em correr atrás do que eu quero. Nunca pensei em virar gente grande. Mas agora é isso que eu quero!

Tá sendo uma mega esforço descer do balanço e subir no salto, mas lá na frente serei recompensada. Brinquei muito, empurrei muito com a barriga e levei tudo muito nas coxas, chega, cansei. Quero vida nova. Tô correndo atrás, tá complicado, tá difícil, mas nunca é tarde para começar de novo. Nunca é tarde para tentar novamente. Não importa se está indo devagar demais, o negócio é não ficar parado.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

De onde essa felicidade toda?

Tenho vários motivos para chorar, vários motivos para ser triste, mas desde o dia em que escolhi ser feliz e não deixar ninguém atrapalhar isso a coisa vem sendo diferente.
Não posso deixar de compartilhar com vocês minhas alegrias, minhas conquistas, motivo do meu sorriso matinal, afinal ler só lamurias ninguém merece.
Então tá, você se pergunta o motivo da felicidade e te respondo com um “Não Sei”, é estranho, mas na maioria das vezes acordo assim: com um amor infinito no meu peito, uma felicidade que às vezes me sufoca, uma esperança que não cabe em lugar algum, sonhos que são praticamente impossíveis de acontecer juntamente com uma vontade louca de realizar todos.
Dia ou outro acordo mal, mal humorada jamais acordo!
Quem é minha amiga e sabe da minha vida pessoal sabe que este ano não foi tão bom e que no momento vivo em uma fase um tanto complicada e de mudança e deve estar achando estranho esse post. Eu também acho estranho, eu me acho estranha (rs).
Não sei o motivo da felicidade, no momento não ando conquistando e nem ganhando nada, apenas perdendo. Era para eu estar triste, chorando porque armaram contra mim e acabei perdendo meu emprego (cena do próximo capitulo). Agora não tenho mais grana, fico em casa, estudando, dona de casa. Mas tenho uma família linda que me ama, os melhores amigos do mundo (são vários e os melhores, nesse lado tenho muita sorte), um blog lindo que amo e que me ajuda muito, um amor-próprio que tem se solidificado cada vez mais e essa felicidade sem explicação que me deixa leva e não deixa meu sorrisão apagar.
 
E que nada e nem ninguém acabe com o meu sorriso! 

domingo, 4 de novembro de 2012

O que você quer ser quando crescer?!


Geralmente quando você chega aos seus 18, 20 anos você já sabe bem o que quer da sua vida. Vem às crises existenciais, você passa a descobrir o que quer o que gosta quem é você.

Acredito que todos nós temos essas crises, uns mais novos, outros mais velhos, uns buscam respostas, outros fogem, outros procrastinam, outros encontram.

Acontece que estou em uma fase de crises existencial aos meus 24 anos. Já tive várias outras vezes, mas fugia e procrastinava, porém, agora a vontade de crescer e obter as respostas são gritantes.

Já descobri muitas coisas, obtive várias respostas, mas ainda é pouco. É gente, a crise aqui está demais. Um dia eu quero no outro não, hoje eu gosto amanhã não. Isso tem me deixado louca, surtada. Não sei esperar, quero minhas respostas para hoje. Queria dormir e ao acordar tudo pronto tudo certo. Pena, isso jamais irá acontecer.

Mas aprendi também que a vida é um aprendizado constante, seja em momentos bons ou ruins. Muitas vezes esse aprendizado dói, machuca, mas um dia ele cicatriza e é isso que me mantém forte.

A vida é feita de fases e nada é permanente, hoje feliz, amanhã triste, depois feliz de novo e assim vai. Já as crises existenciais se você não der um jeito nela vai te perseguir até encontrar as respostas.

Surtando, enlouquecendo mas encontrando respostas, motivação e inicio de ação para mudar tudo aqui!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A impontualidade do amor

 
Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo. Em frente a tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras. O amor dá meia-volta, volver. Por que o amor nunca chega na hora certa?

Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans. Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz. Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.

O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida. O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.


Martha Medeiros




segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Você está de castigo

Alguém nos coloca de castigo quando fazemos alguma coisa de errado. Agora quem vai me colocar de castigo não é minha mãe (que sempre me colocou), será eu mesma.
E me colocarei de castigo sempre que a senhora carência bater na porta. Preciso conseguir me controlar quando ela se faz presente, principalmente nas fases de TPM onde as alterações hormonais rolam soltas.
Teve um dia que um amiguinho me mandou um torpedo me elogiando, disse que eu estava cada vez mais bonita me deu os parabéns por isso e disse que tinha olhado minhas fotos no face. Respondi agradecendo e só, não puxei assunto. No outro dia rolou uma carência ( a maioria das minhas amigas estão de conversinhas com alguém e eu nada) e pensei em mandar um torpedinho para o amiguinho do dia anterior só para puxar conversar e quem sabe eu e ele voltávamos a ser amiguinhos de novo. E ai que resolvi me colocar de castigo.
Não quero nada com esse sujeito, sei que se eu for me encontrar com ele em estado de carência irei forçada pela a mesma e quando ela passar o nojinho vai ficar. Chega, uma hora agente cansa de bater com a cara na parede e fazer besteira em nome da carência. E se não aprende por bem aprende por mal. Está de castigo!
Minha mãe dizia “vá para o seu quarto pensa no que você fez e só saia de lá quando eu mandar”. No meu castigo o último lugar que eu tenho que ir é para o meu quarto pensar, lá posso fazer mais besteira ainda. No meu caso digo “vá arrumar alguma coisa útil pra fazer (porque você sempre tem) e enquanto isso não pense em procurar nada e nem ninguém. Vá se distrair”. E não é que dá certo!
Coloque-se de castigo no que achar preciso, carência é phoda!

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Saindo de cena



Se tem uma coisa que adoro fazer no domingo de manhã é acordar tarde, tomar café e ler o jornal. Rotina, vicio, hobby, não sei o que, mas adoro. Adoro ler também a coluna de Martha Medeiros que é publicado todos os domingos no jornal que leio, que por sinal é uma das primeiras coisas que leio. Porém neste domingo o texto publicado foi feito para mim. Escrito para o meu momento atual. O texto foi “Quando termina a novela”.

Em resumo o texto te incentiva a viajar, conhecer novos lugares, sair de cena, criar fôlego para voltar a cena, se recolher. E é disso que ando precisando.

Sou altamente compulsiva por compras, todo mês passo aperto porque gasto demais. Às vezes fico sem sair no final de semana porque comprei muito. Chega, cansei disso! Resolvi: quero viajar! Seguir o conselho da minha mãe.

Vai ser um pouco dolorido no começo começar a me acostumar em largar de mão a compulsão  por compras, mas será por justa causa. E quando tomo uma decisão, ai ninguém me segura.

O primeiro destino já foi escolhido, data certa, amigas juntas (por sinal elas também estão precisando muito dessa viagem), só falta fazer as reservas e ir. Partiremos!

Quero sair de cena, recuperar fôlego, conhecer lugares e pessoas novas. Chega de gastar o dinheiro suado do mês com baladas, roupas e coisas que não acrescentam muito em mim. Viajar é descobrir novos mundos mesmo que seja aqui do lado. É ter fotografias em lugares bacanas. Saber de histórias daquele lugar. É voltar nova para o meu lugar, voltar renovada e com ânimo para enfrentar a vida que deixei em of aqui.

 

 


terça-feira, 23 de outubro de 2012

Não é porque você gosta do cara que ele vai te fazer bem



Um casal de amigos namora há 5 anos. Brigas pra tudo quanto é lado. Idas e vinda direto. Falta de respeito total. Amor, muiiiiiito amor.

Antes acreditava muito no amor (ainda acredito), que ele era tudo, que era o suficiente para uma relação. Não precisava de mais nada no relacionamento se não o amor.

Hoje em dia gostar não é motivo suficiente para eu estar com uma pessoa, isso é o que penso e vejo. Antes vivia na doce ilusão de que o sentimento é o suficiente para me manter junto à outra pessoa, que só gostar já estava de bom tamanho para levar um relacionamento à diante.

Percebo que isso não é o suficiente para se levar um relacionamento à frente. Além do amor, gostar, paixão tem que outros temperinhos: confiança, respeito, companheirismo e etc.

No meu último relacionamento aprendi que o amor tem que fazer parte da relação, mas o principal é se ele te faz bem. Muitas vezes achamos que o amor é só lado bom, mas ele tem um lado do mau também.

O amor, relacionamento, tem que fazer bem para os escolhidos do cúpido, estes têm que ser feliz e não um feliz e o outro não.

Existem muitos relacionamentos que há violência física e moral, que há traições, amor doentio e na maioria das vezes quem sofre são as mulheres e por medo da solidão e por achar que o amor é tudo não saem fora dessa loucura.

Mas sei que um relacionamento é feito de amor e mais um monte de coisinhas, talvez até com um monte de coisinhas e sem amor, mas acho que agente ta nessa vida pra ser feliz e viver em relacionamento que o sujeito não te faz bem, mesmo gostando muito dele não é felicidade, então pra que viver assim?!